*Magnify*
SPONSORED LINKS
Creative fun in
the palm of your hand.
Printed from https://www.writing.com/main/view_item/item_id/2251308-Nada
by Haru
Rated: E · Short Story · Emotional · #2251308
Nada faz parte do que sinto, mas também é escrito por alguém que não eu.

Nada.

N quero nada. N vejo nada. N sinto nada.

Odeio-te. Amo-te. Jn sei.

Nada! N se passa nada. Tudo. Perdi tudo, mesmo n tendo nada.

Onde que est? Por onde que andas? Jn te consigo encontrar.

Jn te consigo ver. Pedem-me que te deixe, que cague para ti. Eu n consigo.

Eu n te quero abandonar, eu n te quero deixar no vazio, mas acredito que n tenho outra opo.

Eu jn sei como sorrir, porque quando olho para as tuas fotos percebo que nunca sorriste como dizias que sorrias.

Porque que me deixaste viver uma mentira?

Eu jn sei se te amo, ou se te odeio. Sei, no entanto, que me odeio por me acreditar em algo que nunca sentiste. Por ter tido a ideia de que talvez nunca me tivesses amado, mas ter medo de te contar, por saber que isso ditaria o inio do nosso fim. Mentiste-me. Disseste que n acabarias quando confessasse a minha dor, e assim que o fiz, senti-te a sair da sala, n fisicamente, mas tamb n como se o nosso amor fosse fico, n mesmo?

A verdade, que eu sei que n te odeio. Eu odeio-me a mim prrio por cair nas mentiras que usaste para rir enquanto eu chorava. N te preocupes, eu n te desejo mal, eu poupo-te o mal-olhado, o que se torna irico, quando percebo que era ster olhado, para perceber as respostas que tanto procurei.

No final tenho que te agradecer. Afinal de contas, finalmente tenho o que procurei.

Eu sinto, sinto demais. As feridas que me deixaste ficaram, como avisos. Aceito-os a todos, e agrade todo o tempo que me desperdiste. Assim, pelo menos permaneci vivo.



Talvez esteja a ser injusto. Eu sei que n sou eu que estou a escrever isto, a minha dor, pede-me que escreva, mas perdi a vontade de escrever, e gras a isso, algu esta escrever por mim. Pouco sei sobre esta pessoa, por, sei que esta realmente se importa comigo, e n s falsas esperans. Ent espero que sejas feliz, que encontres algu que te do que n consegui dar, e se no final perceberes que erraste, talvez ainda esteja preso neste feiti.

M! m! Tu que me prometeste que seria feliz. Seria diferente dos que prometeram sorrir. N nego, nunca pensei ser t lamentel. Onde que est os dias felizes que me prometeste? Onde? Eu n vejo, ou sinto um pingo de felicidade. Disseste que tinha que confiar nos outros, para puder conhecer os outros. Nunca duvidei da tua palavra, porque sempre assumi que tinhas expericia na vida para saberes. No entanto, tamb te acreditas em deus. A minha pergunta porqu Porque que me mentiste? Prometeste-me plenitude, mas eu nem quero respirar. Asseguraste que eu era diferente. Mais uma vez, n nego, duvido que algu se odeie tanto por t pouco, duvido que algu se acredite tanto em quem n lhe respeita. m! Iludiste-me. Foste tu quem me deu as asas. Agrade, mas n te desculpo. Mostraste-me algo que n existe. Disseste-me que a vida era algo belo, mas eu vivo no meio dos horrores. Fizeste-me acreditar que podia respirar ao lado de quem mal sabe quem eu sou, e quando o fiz, fui magoado, quase espancado atmorte. Tenho medo de respirar, tenho medo de amar. MAE! MAE! M, eu tenho medo de sorrir, porque me acreditei no que me disseram a crescer. E agora?? O que serde mim? Eu nem sei o que dizer quando me pedem ajuda, jque sinto que me v usar de alguma forma. As pessoas s criativas, e eu sempre fui obrigado a viver no modo hardcore. A minha cabe perdeu o jardim, e presenciei a minha ninfa a decapitar-me. Presenciei o meu campo mico a morrer aos poucos, atchegar onde me encontro. As flores perderam as palas e neste jogo do bem me quer, recebi a resposta que n queria.

Lamento se n sou o que querem de mim, mas, eu nunca quis ser ningu. Tudo o que eu queria era ser feliz, ter um sorriso, um mundo, ter-me a mim. Acabei por perder todos os sonhos, quando percebi que ser feliz era pecado neste mundo.

Os meus pensamentos s as lrimas de algu que tem medo de chorar. Acho que o meu maior medo, continuar vivo.

Assim sendo, resta-me uma soluo. Sei que vou ser julgado por tirar as medidas que s necessias, mas como mencionei, s necessias.

Dizem que gostam da forma como escrevo e como transmito o que sofro. Quando que percebem que eu n transmito o que sinto, eu choro em palavras. Isso estlonge de ser um elogio, bem mais uma facada na alma de quem esta pedir ajuda atrav do que escreve. Agrade.

A todos os que se importam e me deram o que eu nunca tive, eu lamento.



© Copyright 2021 Haru (sadlyhappier at Writing.Com). All rights reserved.
Writing.Com, its affiliates and syndicates have been granted non-exclusive rights to display this work.
Printed from https://www.writing.com/main/view_item/item_id/2251308-Nada